30 de junho de 2012

Rasante das linhas


29 de junho de 2012

Pedal na vitrine estética


                                                              Gadget 


Blog                                                                                             Sempre Poesia 
Tod                                                                                             Onda Poe
Dog                                                                                             Proa Navegação
Cromos                                                                                       Dorme 
Crime                                                                                         Nem sempre 
Glob                                                                                           Ego
Cromossomos                                                                            Somoscromos
Castigo                                                                                      Dot 
Ego                                                                                            Glob 
Nem sempre                                                                             Crime 
Dorme                                                                                      Cromos 
Proa navegação                                                                        Dog 
Onda Poe                                                                                 Tod 
Sempre Poesia                                                                           Blog 

28 de junho de 2012

Matemática dos sentidos


A Bic quer falar mais alto nas entrelinhas
do poema sintaxe desmiolando
a cena contracena estilhaço

Merda a Arte é palavras.


27 de junho de 2012

É PÓ DA ESTRADA ESTA JORNADA

Estrada rápida vida.
Nossa condição passagem.
O saber é nada.
A condição é pó poeira do conceito ideia 
dia noite verso frente.
O errado contornando a foto.
Feixes flashes memória.
Só nossa História podemos contar.
Cegueira é quem não percebe a oportunidade.
O alemão está no Filme que vejo agora. Adorno 
e síntese da água do índio negro português alemão.


É pó da estrada esta jornada 

RAUL SEIXAS LINK TONHÃO

Largest ponto transgrido
Água da Barra na boca
Punk Rock fabrico 

TRAMA SAMURAI KILOBYTES HOKKUS


Courier não curte 
Interação rede social:

Finca signos Fica


Helvética proseou link
Chip de verso obtuso 
Hd Sol significante

Trebucht três sangues
Escorrem o átimo
Zen  Verdana faísca instante 

Default font 
Times sutil Toca 
Koto Winchester Nipônico. 



25 de junho de 2012

Subletras Russovsky


Bic derrama reticências nas Notas do Subsolo.
A Rússia é pleonasmo de Rasputin na prosa das nuvens.
Dostoiévski tira o gelo mordaz da Moral.
Gogol nunca gaguejou Romance. 
A Gélida  Russa é cultura que nos abate além de Moscou.
Maiakovski brilha  sol palavra tiro   peito poeta.

23 de junho de 2012

Rodas filosofam na carroça da vida

1- Compactor 07 pede inspiração a compactor Top 2000 para escrever miniconto.
2- Haikai filosofa metomínias no desbunde da carroça.
3- Meu avô era carroceiro , tomava café doce e tirava goteira da Igreja Matriz de São Domingos de Araxá-MG.
4- A carroça diz conto no assalto do dia que brinda ficção.
5- O simples é prosa na carroça do tempo.
6- Verso bate amiúde na carroça do Sonho.
7- O carroceiro é filósofo que brinda a maiêutica. Não sabemos que nada sabemos.
8- A ideia do conceito. A Academia repete as fontes. Filósofo tira a roupa para
mostrar a ideia.

22 de junho de 2012

Linhas Cruzadas



I

 haikai do sol
coração silêncio
 amanhece vida

II

coração do sol
silêncio haikai
amanhece vida .

III

haikai do sol
silêncio coração
vida esvai.

21 de junho de 2012

Haibun de Bashô


papel sapo
coaxar palavras
poço signo  silêncio
 

Improviso do silêncio



1- O que cala quer falar mais alto.
2- O papo palavroise diz prosa no infinito.
3- Ligar o Romance no poesia é proesia da nossa missão.
4- Sem foto a imagem perfura a lembrança no limiar do Sonho.
5- 5X5=25 jeitos de dizer o silêncio zen é olhar rasgado no haikai.
6- Dar liberdade as palavras é oficina do sonho da arte.
7- Palavra inominável nomeia o caminho.
8- Oito chances para a Caixa do Sonho fotografam o imperceptível.
9- Compactor 07 dispara máximas no máximo do mínimo o sapo passeia
Bashô.

19 de junho de 2012

Falácias do verde limão

1-  A luz do Lanterna Verde desfaz o verso rimado.
2-  Poesia é desfacelamento de sentidos em Nuvem.
3- Baudelaire abre a janela no voyer da janela secreta janela indiscreta.
4-  Bashô no Haibun verde o sapo coaxa  haikai.
5-  Cinco verdes estilhaços batem na alma: essência é arte.
6-  Shrek brinda falácias na magia: a filosofia é encanto e susto.
7-  Falácia do Hulk é ser poeta quando explode o devaneio.

18 de junho de 2012

Viridis - no começo de tudo "VERDE"







O verde verdura de Leminski ainda continua forte.
Os brasileiros ainda vendem seus filhos aos norte-americanos para depois estes filhos voltarem ao Brasil e serem bacanas tomando um sol em Copacabana.
O verde para curar nossas máculas, impurezas e mazelas.
Lukscolor verde-limão de fora da casa. De dentro misturado com marfim na parede
da sala e no quarto da Malu.  O teto é marfim tudo pintado pelo tio Edson.

O verde nos haikais:

*

verde limão
purifica nossa consciência
e nos traz  evolução.

**
verde
cura com amarelo
nossa mazela

Verde de marte marcianos são bem vindos na evolução dessa nova fase.
Verde é cura que nos dá tom de esperança.
É criança no começo de tudo.
A borboleta de asas verdes voou do girassol e perdi a foto dessa manhã de domingo mas bateu o terceiro sangue no seguinte haikai:

balança o verde
asas dão vida
na flor do sol.


17/06/2012

15 de junho de 2012

HOKUSAMA SILÊNCIO MOR


Enquanto Maeles toma cerveja preta para aumentar o leite da Malu
tomo a cerveja preta o leite das palavras diz vida na vida para viver
e vi  ver o tempo é ilusão passando na memória da existência.


O silêncio explode momento quer entrar na noite brindar a surpresa
dos encontros e desencontros.
O silêncio é a sabedoria suprema Mishima chadô Ikebana Tsuru
três versos disparam sem pensar:

*
muitas vozes
não dizem
o melhor do silêncio.

**
o silêncio
tem um som
profundo

O OOOOMMMMMMMM do haikai acende a faísca no

átimo

14 de junho de 2012

Gotas esparsas do texto


O texto sempe quer  contexto.
O conceito definição espanto admiração.
Philosophia amizade da sabedoria.
Pensar é perigoso.
O Bobo da Corte engoliu o ventríloquo para satisfazer o poder.
O poeta peidou o devaneio depois do almoço.
A rede balança a sombra.
Gol molha tarde luz.
O telhado da literatura é contramão para nuvens da desconstrução
verbal.
Domínio de linguagem significa sim

Signo.

13 de junho de 2012

Secando tempo?


O chip bluetooth prosa
Hd relampeia hipertexto
... falam repente
Sal navega curtir
Medieval é moderno


Bobeou a bobalização um e-book
Flash fotografou o amanhã
no ontem hoje
Facebook não passa de filme
A exposição é rede social
15 minutos de fama é
andar para trás na nossa MODERnidade
Deixe o carro em casa e vá de bicicleta
ou a  pé


Oxigênio é fonte de vida e de tudo
Não jogue papel no chão o planeta
agradece
Sol passa pela porta para secar nosso tempo


absurdo

12 de junho de 2012

Dia dos namorados?

A sandice da crase não abria a porta  para a metonímia.
Enquanto o sol passou por aqui.
Antes do cinza e frio parodiar a vida risco de Stangram para
 dizer infinito. Prosa faz parede com frio. Telepatia 12/06/12 é igual
a 1+2+6+1+2=12=1+2=3 é igual papai e mamãe fazendo amorzinho
nas nuvens para deixar a cria. Assim tempo conserva nossa existência.
O Girassol que colhi perto de casa é o presente que dei a ela. O amor é
muito mais que vida é alma.

9 de junho de 2012

Sombroviski da literatura

O hiato criativo encontrou a prosa ela estava fazendo pose para o romance.
Até que o conto pegou as correntes do sonho e estilhaçou um verso atípico, anômalo e sem rima.
Enquanto isso a linguagem literária acabava nas sombras das palavras alinhadas no signo.
O ponto final ficou admirado com as reticências que driblam as vírgulas de olho na exclamação.

6 de junho de 2012

Lítera sombra literATURA


O hiato criativo encontrou o poema no meio do caminho.

_ Poema, vou te apresentar a prosa disse o hiato.

O poema encontrou a prosa na praça central depois de serem apresentados pelo hiato criativo. Sentaram-se no banco da praça e começaram a conversar.

A prosa perguntou:

_ Poema, por   que seus versos são tão transgressores?

_ É para que eles sejam impactantes nas pessoas, para que elas se estranhem, assim como estranhos somos nós. Para faze-los pensar  e deixa-los num estado de absurdo.

Sem pressa a sombra tocava as correntes da casa ao lado, onde  o Romance e  o Conto não podiam  fotografar literalmente o instante .








2 de junho de 2012

AS GUITARRAS ESTÃO PREPARADAS PARA ESCREVEREM...

1- Claro faz o sentido ritmo gula poema vida verve reflexo o poeta é um passante.
2- A emoção da vida é apenas ser feliz.
3- Meu reflexo foi sempre metonímias num haikai.
4- Três sangues estão correndo dos meus poros para quando faiscar arte: haiku hokkus haikai.
5- O Japão faz parte do meu ser.
6- Meu espelho é de filosofia que faz sentido no inominável.
7- Quando o a faz o composto de o um soneto atravessa o vazio para dar sentido no tudo.

8- Oito o infinito  são Guitarras prontas para tocarem no verso cheio de verve que alucina a prosa.
9- A prosa pediu um fio enquanto a antena do Romance diz foto no conto das telhas na aliança da literatura.

1 de junho de 2012

CAVERNOSO PENSAR




1- O alinhamento da pedra é o centro do reflexo do nosso ser.
2- As manchas solares  não tiram as manchas de nossas almas.
3- A obra do homem não desdobra em progresso.
4- O círculo fechado é falência da "Modernidade".
5- Meu contexto desconceitua o certo.
6- O poder brinca de verdade quando mente.
7- A crise descarta plano mas cria mudanças.
8- A sombra cria brancura da luz no clique da noite.
9- Caravaggio Minas Gerais é sombra na luz luz sombra na minh'alma. Caravaggio traduz São Jerônimo de nossa
sina.
10- Platão quebra correntes . A caverna mostra saída. Sol é consciência.
11- Onze vezes onze são cento e vinte uma tentativas de conceituar sombras em Filosofia.
12- O eremita sai do escuro na faísca verso . Vida se faz vida na textura do tempo.