12 de junho de 2016




Congado

Domingo friozinho de leve,
Parados na porta da Igreja São Pedro.
O sol nas costas,
Batuque para aquecer.
O sentimento dos antepassados na emoção.

Domingo encontro com Deus.
Reco-reco, cuíca, cavaquinho, tarol, tamboril, sanfona ou acordeom.

É tudo aclamação,
A coroação do rei do Congo,
Na Congada, pura devoção.

Nossa Senhora do Rosário
Aumente o nosso honorário,
Nos livre dessa escravidão,
E nos dê sua proteção.

9 de junho de 2016



todas as pessoas
fazem do poema
apenas uma pessoa

PEDRADA NO DRUMMOND



quebrar a pedra
do poema
sem problema

8 de junho de 2016



LIBERTAS QUAE SERA POIESIS

4 de junho de 2016



IMAGEM

Para Kedo (Tancredo Borges Guimarães)

disfarce de poeta
infinito signo
significado de tudo



Tela de Kedo (Tancredo Borges Guimarães)

2 de junho de 2016

LIQUIDEZ


céu lacrimeja a tarde
chove de novo
sorte amplia mansidão



22 de maio de 2016

DEGRADAÇÕES DA LUA CHEIA

Paulada da vida
Grilo falante disjunto

Risada da morte
Borboleta silenciosa Unida

Azul como o céu que rasga o infinito
Azul como o véu que mastiga ritmo
Pautado na forma iconoclasta  do ser

A lua engole a esquina
Numa figura de um cachorro que sopra
o inesperado da vida 




Tela de Rodrigo de Souza Leão. 

20 de fevereiro de 2016

À  PASSAGEM

O sapato velho não me serve mais. Ele agora calça pés imundos ou limpos, tanto faz.
Pouco sabe ele que sou vislumbre do clarão do sol, é a luz dele que alimenta minha alma.
Não passo de mão em mão, o repasse é condição de aprimoramento que a cegueira permite no momento.
O amor cristaliza-se no desapego, condição primeira de liberdade. A água jorra limpa sozinha, pois há risadas no infinito tocando um bandolim que anuncia sua chegada, justiça virá no tempo certo. Xangô me sinaliza com uma flecha na mão dando-me calma e entendimento, quem vê as coisas só materialmente, se joga pra quebrar a cara várias vezes com o coração despropositado, sem saber entender o outro, seu estado de espírito, não adianta dizer sim, se a mentira faz parte da verdade.
Procuro algo que me cure. O céu é maior, a infinita luz ultrapassa meu peito e vinda do altar expande. Miroku abre a porta  dos  céus e o clarão bate no físico. Há sempre purificação para subir a escada, levanto a mão no ato sagrado e imagino o Solo Sagrado. Meishu-Sama me abraça por inteiro. É nele que me pego  e entrego de corpo e alma canalizando a luz ao próximo. O sorriso é a entrega que a boa sorte chegará no segredo da Felicidade.
Enquanto a gratidão chega pela janela do infinito minha imagem se faz na prática da luz divina, entendendo os desígnios de Deus.
O olho reluz sol além dos sentidos e agradeço a purificação para crescer.
A escolha é uma via que cada um sabe onde vai dar.
Subir a escada é opção de cada um.

Cássio Amaral.
20/02/2016