5 de março de 2008

I
ando
paro
des ando
II
dissonância na nuvem vermelha
michel foucault discursa
no som de joe satriani
III
andy mckee
diz sóis conspirados
na amplidão do universo
IV
rabisco um risco
pisco em segundos
alma fragmentada de explosões lunares
V
falar é ouro
calar é prata
o x da questão é infinito

2 comentários:

Fred Neumann disse...

O x da questão é infinito
Imagina nestas lanchonetes que abrasileiram o inglês?
Um X-Tudo que nunca acaba

hehehehe!
Caro amigo Cássio, sempre generoso, obrigado pela leitura do poema na sala de aula.
Isso só faz a necessidade da cerveja gelada compartilhada entre amigos aumentar.

abração,

Fred

BêbÉT/Ocica's disse...

quem não é cabelo avÔaaaa!

da hora...

agora.