10 de setembro de 2008

NÃO OUVIRAM NADA DO IPIRANGA



Verdes, azuis, amarelos e brancos
tecidos e mais tecidos são despojados pelos navios mercantes.
Ouro, prata e diamantes foi a troca perfeita para os novos consumidores da América.
Clima tropical combina bem com os casacos de peles usados na França
e toda sorte de quinquilharias inúteis invadem o solo agora pisado por colonos, jesuítas e
Joaquins Manueis filhos de Senhoras Putas.


Vida longa ao Rei!
E a nobreza desfila por cima
de carne humana.
Três africanos em troca de mais um pedaço de terra ou
por bem menos que isso...
Os sinais tocam e as mocinhas correm
para rezarem a missa.
Enquanto isso o padre termina de almoçar o novo coroinha.

_Toc toc!
_Quem é?
_Seu novo Eu!
_Pode entrar, só estou experimentando minha nova máscara.

Os carros passeiam pela madrugada.

Lá vem Eles, corram!
E os tiros silenciam toda manifestação dos chamados livres-expressadores.
De fundo um hino expressa tudo aquilo que nunca existiu...
E não Ouviram nada no Ipiranga,
só silêncio misturado com sangue dos insetos.

_Toc, toc!
_Quem é?
_Sou eu, só queria desejar uma boa noite!
_Boa noite!

Enquanto isso o presidente não faz a barba
E mesmo assim fica bem distante do perfil de Marx
A foice e o martelo duelam entre si
E as novelas terminam com um final feliz

Pão de queijo, rapadura e vatapá
E os coronéis ainda estão no controle
Salve a Grécia porque ela não tem nada a ver com isso
E eles continuam vendendo suas almas.

Eu tenho um amigo que tem fobia de gato
E ele não também não tem nada a ver com isso

Isso não é um poema
Pois poetas foram
chacinados
Pela industria Cultural.

Isso não é um grito
Estamos mudos demais para isso.

Isso é apenas o relato de alguém que não ouviu nada do Ipiranga.

Lisa Alves - Notícias do Mundo Tupi-Guarani - Janeiro/2006.

--

Lisa Alves

www.ladyproserpina.blogger.com.br

Ou nos outros blogues:

http://lisaallves.blogspot.com/

http://www.quartopoder.blogger.com.br/

6 comentários:

líria porto disse...

na ponta da língua
líria porto

saí do armário
admito
amo a palavra
e com ela mantenho
relações íntimas

*

lisa Alves disse...

Grata pelo compartilhar das palavras
Grata pelo grito, pelo riso e pelo choro
Adorei falar de Drummond contigo
O Poeta sente...

Lisa Alves disse...

Somos macacos ironicos

Flávio Otávio Ferreira disse...

Realmente nao "Ouvimos nada do Ipiranga", somente uma incucação romantizada do "País das Maravilhas"...

Abraços poéticos!

Nanda Assis disse...

adorei, apelo e história, realmente é a sua cara!
bjosss...

jorge vicente disse...

somos sempre macacos
e, às vezes, nos esquecemos
das palavras. menos tu.

um grande abraço
jorge