5 de março de 2009

DOSSIÊ ELAINE LEMOS


Numa noite no Rio conheci a poeta Elaine Lemos.
Ela de São Paulo eu de Minas.
Saímos com amigos, janeiro de 2007 muitos poetas, muita
gente ligada a arte. Atravessamos os Arcos da Lapa e
em alguns bares tomamos cervejas, rimos e vivemos
uma noite que foi bem legal. Bem astral, onde muitos
se conheceram. Estavamos eu, Kedo, Ricardo Wagner e
Rafael Nolli no Rio. Estada bacana, muita gente boa,
entrevistamos naquela época Rodrigo de Souza Leão e
Tavinho Paes. Pena que não gravamos em Dvd as entrevistas
Enfim, cada um segue seu caminho. E sempre no contato
virtual.
Em janeiro de 2008 eu e Kedo estivemos em São Paulo
e varamos noites, encontramos Elaine e Fejones.
Foi muito bom, saímos, encontramos Maicknuclear e
uma galera bem legal. Vila Madalena na Mercearia São Pedro,
onde rimos muito. Falamos e ficamos bem mais amigos.
Elaine pintou aqui no carnaval. Conheceu Araxá, rimos,
bebemos e ela desestressou de São Paulo. Viu a galera
daqui voando de paraglaider no Horizonte Perdido e
nos deu a honra de sua presença e companhia.
Poemas de Elaine Lemos:


Paraíso encontrado

Levou-me a correnteza e eu conheci!
Ah! tivesse remado
mais cedo teria encontrado...

Quantos bichinhos alados
perdi fazendo flap-flap por aqui?

Mas não faço cerimônia na chegada:
piso o verdinho do gramado
roçam-me os pés, as folhinhas orvalhadas


aquieta-me as idéias, o farfalhar das copas
invadem-me os olhares, todas as tonalidades

respiro tão fundo, tão fundo, que me entram
as almas das flores pelas narinas

se sirvo-me das saborosas pétalas
das metamorfoses fraseadas


?? anos
Quando alguém vai embora

como conta os anos quem fica?

Começa a contagem a partir desta hora

Para ter-se a idade do alguém noutra vida?




Poema do cão

Ao amigo poeta Cássio Amaral

Noites cheias, algo chupa
a lua e cospe
a espada santa

Uiva! Uiva! Uiva,
cão danado!, cãoirado!, cão azul!


Blue, deep blue, deep blue inside
Like all the dogs are

Aplica um blues na veia d’alma
em estado de espírito
empírico, elíptico, etílico

uivando letras
enfáticas
gritando pedras
fáticas
jorrando pérolas
– “asas distraídas” –
pelos ares
seculares


virando estrelas
virando estrelas
virando estrelas


Elaine Lemos

O blog da Elaine tá linkado aí ao lado,

ou no:

http://duaspartes.blogspot.com/



3 comentários:

Nanda Assis disse...

adorei os poemas dela.

bjosss...

Nanda Assis disse...

adorei os poemas dela.

bjosss...

Ellemos disse...

Obrigada, amigo! Muito obrigada!

Beijo grande.

P.S.: Cássio, só duas coisinhas: no primeiro poema, falta o "s" em "narinas" e, no Poema do Cão, na segunda estrofe, as quebras de linha estão diferentes...