3 de setembro de 2009

Uivos Setembrinos


I

Palavras aleatórias
Riscam o chão do verbo
Nas aliterações derramadas

II

A balança dirige
Meu estado de espírito
Faiscado no equilíbrio

III

Neil Young me benze
No setembro que chega
Lótus me sorri num verso

IV

Rock can never die
Meu caminho é gaita
No uivo da lua

V

Uivo lua cheia
Na gaita crispada
da música de Neil Young e Crazy Horse

VI

Lua nua pluma
Verbo oro faísco
Arrebento cabaço gozo.

5 comentários:

jorge vicente disse...

harvest harvest in the moon
may the harvest be your moon

e tudo o que a lua move
é pleno amor

abração enorme
jorge

BAR DO BARDO disse...

howl



(ainda estou na terceira leitura do sonnen)

isaias de faria disse...

que a balança sempre pese pro lado da sua poesia! postei a foto do menino no skate lá no estações. faíke um poema p ela quando tiver um tempinho meu amigo. abraços
ps: o wellington tá entrando no mundo da net. demorô!

sueli aduan disse...

..faiscado no equilíbrio!

sua(s) poesia(s)
equilíbiro no caos.

gosto muito

abs

Rubens da Cunha disse...

valeu a visita ao Casa de Paragens.
Gostei da tua poética, seca, mas dona daquela delicadeza sempre necessária à poesia.
abraços