16 de outubro de 2009

IMORTALIDADE

Peguei a monark da sogra
pedalei até o bairro Testo Hagen
casas em enxaimel
POMERODE é a Alemanha
risquei proemas no Vale Verde
Blumenau Oktoberfest: chopp
SEB:derrame de poesia
Maeles penetra meu coração
no ímpeto das palavras
abrir a caverna de Platão
um verso no latão da rodoviária de Curitiba
Tio Leminski no ITAÚ CULUTURAL DE SAMPA
SAMPLEIO PARAFRASES MERGULHO aliterações
no Serrado a bomba explodirá com Robson e Nuclear
O contexto canto
e o texto me mata
quando conto minha passagem
na imortalidade das exclamações
Dionísio me abraça no átimo

3 comentários:

Poeta Incerto disse...

Curitiba é um espaço entre a felicidade e o vazio que nos ocupa.

isaias de faria disse...

poema, trajeto...rota...fuga...fuga...poema...rota...trajeto...memória...fuga...poema...p o e m aarota memoriapoema.... estrada

BAR DO BARDO disse...

tu tá com a koyza