29 de outubro de 2009

No vagão do iluminismo



Vamos brindar as estrelas
brincar com nuvens
juntar os pincéis
pintar os anéis de Saturno
deixar o fogo
no ponto de ebulição
facto fato
fratura exposta
o trem anda Uai
ou Why don't you stop
the train?
Os trilhos fazem luz
no final do túnel:
John Locke, Voltaire, Montesquieu,
Diderot, D'lambert, Rosseau, Quesnay
e Adam Smith.

Temos alguma razão?

8 comentários:

isaias de faria disse...

cara q foto massa. parece de filme de suspense. o poema, iluminado como sempre.

Cássio Amaral disse...

a foto é minha. da minha imagem na noite, fiz do meu celular.

nosbor.araujo disse...

Esta é uma das imagens da exposição!

BAR DO BARDO disse...

a filosofia tem lá suas razões...

e o ser humano é, em última instância, um mulo azarão...

Nanda Assis disse...

hoje ta demais seu poema. a foto bem criativa e eu te vi na rua.

bjosss...

Poeta Incerto disse...

Sua foto é a tradução subjetiva da sublime essência extraída do sumo de um Poeta luz .
Adoro você e sua Poesia .
Grande Abraço
Brother

Rubens da Cunha disse...

como saber se temos razão? talvez a poesia nos diga...
obrigado pela visita ao casa de paragens

Maeles Geisler disse...

a luz que fica
torna a razão passageira

Abraços
Maeles