5 de fevereiro de 2011

UIVAR SEM CORPO

IMPREVISTO O PÃO POEMA DISTORÇÃO JIMI HENDRIX UIVO DO ABSURDO
PEPE EM PETER FRAMPTON UMA CERVEJA ALEMÃ EM JOINVILLE NO ZEPA
A CHEPA DA BOCA DA CHUVA QUE CAI ]
CORRENTES QUEBRADAS VIDA PARADA STUBBE SOB AO CÉU DOS CACHORROS
O MAR BRINDA A TARDE COM SUSPIRO DE HOMERO
MORTE RÁPIDA PÁ E ENXADA PARA ENTERRO BURACO CAVADO
POR MAELES E EU. FLORES AO REDOR NATUREZA VIVA DEPOIS DA PONTE 
PENCIL O DISCURSO É LATIDO  A AMIZADE É SENTIDA O CORPO NÃO É
PRESENTE NOS LADRILHOS DA VIDA ÉTICA É CANINA
GOETHE ALINHARIA UNS TONS ALÉM DO ARCO-ÍRIS BRANCO

COLO DA FILOSOFIA É O UIVO DOS CÃES Q NA CONTRAMÃO
DESMISTIFICAM ACADEMIA E LORDOSE DE OPINIÃO
STUBBE SOB NO PÓDIO E LATI PREVISÕES DE RIMBAUD NA VEIA DE
ARTAUD
SUA GRAVATA ELE DEIXA NO TEMPO.

Um comentário:

Neuzza Pinhero disse...

me entristece saber do Stubbe.
Uivar sem corpo é comovente
é um poema, um réquiem
abçs