30 de junho de 2011

Peça sobre a obra Todos os cachorros são azuis do Digão (Rodrigo de Souza Leão) no Rio


no rio de janeiro


"Quem não sofre, não vive. Quem vive, come batata frita. O bom é que sempre tem batata frita para aliviar o fardo. Os dias são sempre iguais e vão se repetindo. Ninguém pede licença para entrar na minha vida, mas arruma sempre uma desculpa para sair". [Rodrigo de Souza Leão]


TODOS OS CACHORROS SÃO AZUIS



direção de Michel Bercovitch

Baseado no livro homônimo de Rodrigo de Souza Leão (1965-2009), um dos 50 finalistas do Prêmio Portugal Telecom edição 2009, a peça faz um mergulho na mente complexa do jornalista, escritor e poeta falecido precocemente, aos 43 anos



ESTREIA: dia 9 de julho, às 21h


LOCAL: Teatro Municipal Maria Clara Machado – Planetário da Gávea / RJ



- Rua Padre Leonel Franca 240, Gávea/RJ Tel: 21 2274.7722 (estacionamento no local)


HORÁRIOS: sábado às 21h e domingo às 20h


INGRESSOS: Inteira: R$30,00, R$15,00 (meia entrada) e R$10,00 (classe artística)


CAPACIDADE: 120 lugares DURAÇÃO: 80 min.



CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 16 anos TEMPORADA: de 10 de julho a 4 de setembro


Todos os cachorros são azuis, uma adaptação teatral do romance homônimo do jornalista, escritor e poeta Rodrigo de Souza Leão (1965-2009), estreia no próximo dia 9 de julho no Teatro Municipal Maria Clara Machado (Planetário da Gávea). A peça tem direção de Michel Bercovitch, e a dramaturgia é realizada por Flavio Pardal, Michel Bercovitch e Ramon Mello, com a colaboração de Manoela Sawitzki. Em cena, cinco atores — Bruna Renha, Camila Rhodi, Gabriel Pardal, Natasha Corbelino e Ramon Mello.


Extremamente inteligente, Rodrigo via a si mesmo com rara lucidez e tinha uma grande necessidade de comunicação com o mundo à sua volta. Essa necessidade, aliada à sua boa formação — era um ávido leitor — o levou a encontrar na escrita uma potente ferramenta para acessar as pessoas e ser compreendido. Todos os cachorros são azuis é um mergulho na mente do jornalista, escritor e poeta Rodrigo de Souza Leão [saiba mais em www.rodrigodesouzaleao.com.br], falecido em 02 de julho de 2009, aos 43 anos, após internação numa clínica psiquiátrica no Rio de Janeiro. Rodrigo sofria de esquizofrenia, mas sua consciência sobre a própria doença o tornava uma figura ímpar entre os seus iguais.

SINOPSE

Baseado em sua história pessoal, um esquizofrênico faz um relato comovente e ao mesmo tempo cheio de humor e autoironia sobre sua trajetória, desde sua internação em um hospício até a sua saída e a fundação de uma nova religião.



A MONTAGEM

Em cena, os cinco atores revelam as múltiplas facetas de um personagem esquizofrênico, inspirado em Rodrigo de Souza Leão. Além do próprio romance, elementos biográficos como poemas, cartas, fotografias de Souza Leão serviram de matéria-prima para construção das personagens. Rui Cortez assina os figurinos e o cenário, este composto por grades modulares que são montadas e desmontadas de diferentes formas, remetendo aos ambientes hospitalar e carcerário. Ajudam a desenhar a cena a iluminação de Tomas Ribas e a direção musical de Rafael Rocha. A direção de movimento é de Paula Maracajá e a preparação vocal de Marly Brito. Elvira Rocha assina a direção de produção.



O PROJETO

O projeto é uma idealização do poeta Ramon Mello, que se encantou com o romance Todos os cachorros são azuis (7Letras, 2008) na época de seu lançamento. Trabalhando como repórter do Portal Literal, Ramon entrevistou Rodrigo [http://www.portalliteral.com.br/artigos/fragmentos-humanos-entrevista-com-rodrigo-de-souza-leao] e, desde então, passou a conversar frequentemente por telefone com o autor. Rodrigo tomou como hábito telefonar para Ramon semanalmente, quintas-feiras às 15h, horário do primeiro encontro.

Entre as conversas sobre literatura, Mello revelou o interesse de adaptar o romance de estreia de Souza Leão para o teatro. Imediatamente, Rodrigo liberou os direitos, enviando uma autorização para viabilizar a produção. No entanto, o projeto só se concretizou com o patrocínio do Oi Futuro, após a morte do autor, em 2009. Com esse recurso foi possível viabilizar o espetáculo e convidar Michel Bercovitch para assinar a direção.

Silvana Guimarães
Fonte: Blog da Germina Literatura







Um comentário:

isaias de faria disse...

QUE MASSA! PRECISAMOS MOSTRAR A POESIA DELE. GOSTARIA DE ESTAR NO RIO P VER.
CARA, CHEGOU O LIVRETO COM HAICAIS P CRIANÇAS. LI RELI E IREI RELER MAIS INUMERAS VEZES, SEMPRE. GOSTEI MUITO MESMO. VALEU.