6 de junho de 2014

Rodagem de antenas na br da palavra.

Antenas  bordam o texto sobre texto metalinguagem rolando gol no poema astuto.
Grades não fazem parte da perspectiva da prosa.
Nem seu lixo interno pode apaziguar o vento e chuva que chega.
Sol sempre atento para refletir uma nova palavra que nem sufixo e trema
deixam de tremer.
Não há espaço só nuvens que fuzilam o fio condutor da linguagem.
Digam o que quiserem o silêncio fala e explode amiúde no significante.
Nem Jesus e nem Pedro pregado na cruz.
Apenas uma saída: Vida vívida e vivida.

Um comentário:

isaiasjazz faria disse...

Grande poema meu velho, grande poema.
Você tem um estilo que é só teu.