3 de outubro de 2007

imagem do site: http://www.ufrj.br/


SOMBRA DE BAUDELAIRE


a sombra
me
assombra

quando a assombração
é Baudelaire
comendo as nuvens sangrentas
da imprevisão


vampiro que pira
na assembléia de Dionísio
cafungada de flores doentias
sapato torto com devaneios vulcânicos

a sombra
me
assombra


porra escrotal
que é nuvem embevecida de estilhaços
da dissidência

a rima é golpe
a palavra bomba atômica
no branco do papel
loucura sem remédio

a sombra
me
assombra


Baudelaire morde pescoços incautos
enraba a estupidez dos covardes
e dá vida ao mijo da madrugada
perdida na esquina.



03/10/07

Esse rabisco vai virar um videopoema que vou fazer com guitarras de fundo, contraste de claro e escuro, cenário simples de madrugada e alguns uivos, risadas irônicas, latidos de cães, algo nesse esquema. O enfoque é a sombra.
Esse poema nasceu do meu haicai:

a sombra
me
assombra.

6 comentários:

diovvani mendonça disse...

Aqui, tudo mui insPIRADO!!! Salve-salve.

Sou Dio, mas não sou Deus - estou +, pras cousas dionisíacas.

Montanhoso ~^^ ~Abraço~^^ ~^^

celia musilli disse...

Oi Cássio, não tenho dúvidas... assombra. Como videopoema deve ficar legal..beijoss

Fred Neumann disse...

Muito bom, Cassio!
E te respondendo de algum lugar que você escreveu, eu achei uma baita coincidência.
Logo após te conhecer, fui na casa do seu pai, sem saber que ele é seu pai, agora sei, hehehe!
Videopoemas tomam conta dos ares de Araxá que cresce com isto!

abraço,

Fred Neumann

Leila Lopes disse...

Tenho certeza que este poema serve absolutamente para aquelas tais e tantas noites que assombram.
E muito!!
Bjos e luzes.

Graça Carpes disse...

Sombrias ventanias...
Aguardo o vídeo poema.
:)

Silvio disse...

Grande Cão, excelente seu blog, suas palavras são contundentes, realmente atingem na ferida. Se você autorizar gostaria de linkar seu blog no meu, espero resposta e também lhe convido para dar uma espiada em meus humildes e medíocres escritos! PAZ - meu blog eh: http//silviao.cortes.zip.net