25 de novembro de 2007


ZAÚM TARADÓIDE III

A sua flor comendo meu falo
Vulva volúpia vulcão
Oração que oro e consagro
Pele rele febre
Mel melado massagem
Incenso gula lua vinho
Flor que afago e me ataca
Propondo derreter a madrugada
Desejo que desperta
Velas ritual química alquimia
Pompoarismo prazer magia
Desabrochar de êxtase
Despertando o prazer
Que o amor absolve
No OOOM MMM que o corpo sente.

Cássio Amaral
17/02/2006.

3 comentários:

sandra camurça disse...

OOOOOOOMMMMMMMM...rsrs...

Paulo Castro disse...

No OM do corpo foi o melhor !!!!
E veja, meu cão, o formato do poema. As curvas que os versos criam.
Parece um corpo de mulher.
Ela deitada, de braços, ou pernas, abertas.
Metáforas que todos entendem, mas apenas se eses todos um dia já ousaram. Talvez então, poucos...
Afudê.
Abração, canino da minha arcada.
°

Fred Neumann disse...

Hey amigo Cássio, viajei lá pela Tailândia agora! Bacana mesmo!
Você veio aqui na Maxdiesel e não me achou...dessa semana não passa, hein, vamos encontrar.

um abraço,

Fred