28 de maio de 2008

ALHEIO


o sol entra grafito imprevistos
aliterações desconstruindo dias
que engolem a vida
matrix momento é a luz que vem da janela
fico meio Dorival Caymmi
da janela lateral do quarto de dormir
vejo nuvens que brincam com meus sonhos
sou um cavaleiro marginal
meus moinhos de vento são pleonasmos que ofusco
infante diante da lua que me acolhe
o sol entra e grafico imprevistos de dom quixote
mares nunca navegados
metonímias que prendo na gaiola
cantam num hino que incita catacreses
banbolê do Banquete Arístocles que sonha com um mundo bom
representado na República
balança balança e balanaça quando a balança
é libra sitiada num prato que diz:

"... _*Mas não! Não te admires! _
retrucou ela ; _pois é porque destacamos do amor um certo
aspecto e, aplicando-lhe o nome todo , chamamomo-lo
de amor, enquanto para os outros aspectos servimos de outros
nomes..."
_________________________________________________
* Os pensadores- Platão- Página 37.

3 comentários:

isaias de faria disse...

gostei, partes do lô borges, platão...minas gerais e grecia antiga.recebi seus pdfs dos livros...e cinema gostas ? entra lá no nosso blg qualquer dia. dissertandosobrecinema.blogspot.com
se der pra colocar o link no seu. abraço. isaias

Loba disse...

Cassinho!!! qto tempo, querido!
ando completamente relapsa, mais sumida que blogueira!
Mas hj li um tanto aqui. Gostei especialmente do poema da lua - por razões obvias! rs...
pretendo nãome ausentar tanto, viu? sinto saudades dos nossos velhos tempos.
beijo grandão

luz dos olhos disse...

gostei muito, grande artista.
vou ler sempre agora... virei fã! bjoss