28 de dezembro de 2009

MATRIX

Eu matrix, foto de Maeles

Halo afianço traço risco infinito
Jung cordena o movimento
Alma do mundo inconciente coletivo
flashes estilhaçados olhar
aqui e além sigo perpétuo
num poema que me trai
distraindo as estrelas caídas de
cogumelos azuis
sintetizo a passagem no mínimo
resumo contexto o texto dispara
alvo explosão megabytes

3 comentários:

BAR DO BARDO disse...

sdjrie dkfKPP djusK!

lírica disse...

Muito bom Cassio!

isaias de faria disse...

esta voltando ao normal! virtualmente.