11 de abril de 2010

Desabamento

Os abutres sobrevoam o Rio
Tragédia que sorri desencanto
A lama de nossa lama
O lamaçal que nos acolhe
É o mesmo que vibramos
Há um silêncio na morte
Que toca nota mais baixa na música
Dissonância onde nos matamos
A lama de cinco séculos
Dos desgraçados
Do nosso mal pensamento
Da agressão a natureza
Parte existente em nós

Dente de leão

O sopro além do destino
arrepiando os fios do tempo
leve a vida esvai

2 comentários:

Í.ta** disse...

teus "retratos" são ótimos!

grande abraço.

Robson disse...

Foi o sal que te afastou do punctum?