9 de abril de 2010

Visão do Mar


Espuma do dia
Gaivota na fotografia
Alma da conquista
Pessoa das pessoas que vivem
Viver não é necessário
Navegar é necessário
Ondas que lambem a noite
No vai e vem da vida
Que inicia a navegação.
.
NAUFRÁGIO
.
O vento passa pela agulha
O sopro do mar na noite
Conduz a vida que pulsa
Litigantes de outro peso
A lavação da roupa suja
Quando as Absurdetes de Barra Velha
São melhores que Beonce.
.
ESPUMA
.
bolinhas do mar
que explodem
na areia
.
ONDA
.
elevação da chance
de um equilíbrio
feito no mar
.
GAIVOTA
.
Percepção condicional
do vôo
além dos olhos
.
AREIA
.
o pó do pó
sem nó sem dó
nosso futuro
.
NAVIO
.
Por Porto
Portugal
meu clã Amaral
.
SEDE
.
Lambe a praia
com ondas brancas
na bença de Yemanjá
.
GRIFO
.
uma nuvem
abre as portas
para as gaivotas

3 comentários:

L. Rafael Nolli disse...

Cássio, meu camarada! As ondas do mar chegaram em seus poemas! Gostei, sobretudo da citação ao pessoa - ó mar salgado, quanto de suas lágrimas...!
Abraços.

isaias de faria disse...

sua produção ta vindo com força total. q bom meu amigo!

lírica disse...

Quanta inspiração!
Que bonito Cássio!
bj