24 de dezembro de 2010

Dadaísmo Futebol Clube

Flor                                            sêmen                              trepada
Vida                                         casa                         terra         pó 
Augusto                      dissidente                do                       nada


A               bunda da              gia              chia
Rolam                         pneus          estrada
Hélice                 nuvens               chegada


Poeta             nada
Grana            nada
Lama            nada 
Verve           nada
Iguana           nada
           Arte
Cura do desastre 
                           Merda
ET   
Buraco do céu
Nave Mãe
Praia Autofagia proa proesia
Abdução risco
Nada
Nada 
Nada
Além de tudo. 

2 comentários:

Neuzza Pinhero disse...

Cássio querido

muito grata pela sua visita ao meu Spirituals, pela aguda sensibilidade qto à minha música
Nós temos a cura e sempre vamos nos deixar abduzir.
O melhor, a cada ano! Vivaaaa!

PS: um dia irei sim, ver voces lá na Barra.

isaias de faria disse...

ao ler esse poema, sinto que está entre o niilismo e a crença no "improvável".
abraço grande do brow aqui.