13 de janeiro de 2011

NIPÔNICOS



I

Sol arde o instante
Que falta
Na bruma do tempo

II

O pingo do orvalho
Profetiza a luz
Que reflete a vida

III

Instante de milagre
O dente de leão
Voa sutil e desapercebido

IV

A lagoa brinda o dia
Névoa que engole o reflexo
Da  gaivota refletida na manhã

V

Estrada do imprevisto
Lodo além do sorriso
Um poema nasce natural

VI

Nuvens sintetizam sonho
Faísca que brinca de criança
No berço da poesia.

VII

A lagoa reflete o sol
No bom dia que faz Milagre
 Nas nossas imperfeições

VIII

Sol entre as nuvens
Lagoa que diz bom dia
Na amplidão do instante

IX

Gaivotas que brincam
No meio da lagoa
O voo é zen

X

Um pingo
Amplia na lagoa
Profetizando nossos círculos.

Cássio Amaral
27/08/2010

2 comentários:

Lisa Alves disse...

Tenho a sensação de que essa natureza que lhe rodeia por aí, tem te inspirado muito! abraços

Í.ta** disse...

um pingo, assim como um verso, pode fazer muita coisa, não?

abração!