30 de abril de 2011

Lero-Lero com Robson Corrêa de Araújo




1-     O que é arte e o quê  ela  que representa para você?
A arte é a saída que encontrei desde cedo...

2- Como começou a produzir arte e como ela deve ser feita?

Comecei com um coqueiro de bambu e papel crepom, que foi parar
na mesa do diretor. No primeiro ano do primário. Não serve como
receita.

3- Por que a arte modifica o ser humano?

O ser humano é uma construção que não sei se será acabada,
pois tudo parece modificá-lo.

4-  Quais os livros que acha interessante? O que tem lido
atualmente?

Acho todos os livros interessantes, mas me interesso por aqueles
que atravessam no meu caminho. Ultimamente está acontecendo
comigo aquilo que sempre detestei: estou lendo vários livros ao
mesmo tempo. (LIVRO DO DESASSOSSEGO, IMAGENS
POLIFÔNICAS, ACHADOS DE ASSIS...)

5- No seu romance Br Infinita você mesclou sua trajetória com
filosofia e Semiótica, assim como no seu livro de poemas
Y SEMIÓTICO. Fale como isso se deu.

O Y SEMIÓTICO bate as vozes da cidade, no Br Infinita é bom
começar pelo posfácio, voltar no texto de apresentação e curtir a
tocada...

6- O que é fotografia e como essa arte é importante na sua vida?

Escrever com luz... álbum de figurinhas... revista em quadrinhos...
foto-novelas... meu núcleo.

7- A Filosofia tem sentido? Por quê?

Amar a sabedoria, buscar. Saber que ama, e querer...
Parece ser um sentido, sim.

8- Quais seus planos de publicação atuais?

Estou em um momento difícil, me separei de um
casamento de 35 anos, o companheiro chamava-se Trabalho...
mas, deve vir um livro por aí... uma outra coisa...

9- Robson Corrêa de Araújo em poucas palavras.

Um menino branquinho, pouco a pouco sendo manchado
pelo sol...

O blog de Robson Corrêa de Araújo está linkado
aí à direita, ou no:

http://punctumstudium.blogspot.com/



27 de abril de 2011

VÁCUO


A poesia não quer reis.


Cair dentro da queda.

Oração oca.

Reflexo.
 
Foto e poema: Robson Corrêa de Araújo
 
O blog do Robson está linkado aí ao lado, ou no:
 
http://punctumstudium.blogspot.com/

26 de abril de 2011

O POEMA QUE ISAIAS DE FARIA ME DEDICOU


p/ Cássio Amaral

Da floresta escura um
Clarão ao longe revela
Que o audaz cavaleiro se aproxima.


Ouve-se a trova.
Nenhuma força pode segura-lo:
Seu cavalo chama-se poema.



poema e foto: isaias de faria


O blog do amigo  Isaias está linkado aí ao lado, ou no:

24 de abril de 2011

Samurai em duas rodas


pedalo aliterações
que desmontam o haikai
verbo insiste no caminho

TRABALHADOR BRASILEIRO


trabalho como formiguinha
e não tenho
uma folguinha

As formigas passam antes do pedal...

O egoísmo é o lixo da humanidade?


o caminhão do lixo passa 
 e fica
o lixo homem

"O dinheiro compra tudo. Compra o luxo,mas não a amizade" (Versos de Tonico e Tinoco)

Vendo Enezita Barroso na Tv Cultura agora está  rolando um som caipira
de Mogiano e Mogianinho, fazendo um cover de Tonico  e Tinoco ( O dinheiro).
Não comprem as árvores devastadas pelo destroço da exploração, please!
A mata era nativa, agora é no chão...

In to the wild ( Na natureza selvagem) sendo cortada pela exploração imobilária...

Depois da Ponte Pencil pedalei do lado da praia

Vamos pedalar pela Quinta dos Açorianos?

O "S" DA QUINTA DOS AÇORIANOS

22 de abril de 2011

INJUSTIÇADOS


1-  A justiça desfaneceu diante do trono do homem?
2- A justiça é lenta , cega e muda.
3- No Brasil há justiça para quem ganha R$25.000,00 faz lobbie, mensalão,
dizimão, cuecão e meião a estes chamamos de de-PUTADOS. Serão
estes filhos das putas?
4- Não acredito em político honesto no Brasil, não há ética e sim um discurso
de quem governa.
5- O povo paga, paga e paga impostos e nada tem.
6- Renato Russo tinha razão: "O Brasil rima com Doril,mas só dá dor de cabeça" .
7- O povo a mercê de tudo vê a injustiça acontecer.
" Vocês que fazem parte dessa massa, que passam nos projetos do futuro.
Eh, oo vida de Gado, povo marcado eh, povo feliz"
(Zé Ramalho).
8- O STJ conhece o significado de Coronelismo?
9-  Um saco de cimento, tijolos, telhas, uma nota de R$50,00 e tudo zen.
10- Um processo seria um Processo de Franz Kafka no Brasil?
11- Os legisladores são Judas na sexta-feira santa?
12- Tiradentes não tirou os dentes da Injustiça. Alguns historiadores
dizem que ele nem morreu...

No caminho com Cássio Amaral

Amigos,


O bate - papo que Bárbara Lia fez comigo  está no blogue dela:


http://chaparaasborboletas.blogspot.com/


Muito obrigado a Bárbara pela generosidade e atenção.

19 de abril de 2011

DAS TRIBOS AS TRIBOS DE PINDORAMA




ÍNDIOS




de tupi a tupinambá

gê guaranis xoklengs

a tribo tem que cantar.

 
ÍNDIO QUE VEIO PRO MAR




além do mar

imagino o planalto

na tribo de minha terra.

...

(os índios arachás, sou um deles também!)


III


bato bafo na palavra


arrisco um sol

que desgoverna o dia.



Cássio Amaral.

19/04/2001.

Podem conferir alguns xamanismos meus de 24 de fevereiro de 2009:

http://cassioamaral.blogspot.com/2009_02_01_archive.html

18 de abril de 2011

PACTO DE MEDIOCRIDADE

Foto: Robson Corrêa de Araújo

Vocês fingem que aprendem.
Eu finjo que ensino.
O presidente (a) finge que governa.
Os governadores e prefeitos fingem
que pagam os professores.
Fingimos todos que somos brasileiros
e temos educação, cultura, arte,  alimentação,
saúde, habitação e saneamento.
Sim amigos, somos todos fingidores.
 Fernando Pessoa fingia que sentia,
sendo um grande poeta.

17 de abril de 2011

O VENTO CANTA O BARCO BÊBADO DE RIMBAUD

Maeles lendo poemas de Hilda Hilst para Bárbara Lia em nossa casa

Além mar
Pessoa vê Yemanjá
Quando um pássaro canta dentro de mim

Bárbara Lia muito obrigado pela visita que nos fez,
por sua generosiade,atenção e amizade.
Até breve amiga!
Muita produção. Viva a poesia!

14 de abril de 2011

NUNCA FOMOS TÃO BRASILEIROS - A PLEBE É RUDE...

A educação deseducou-se depois de 510
para 511 anos.
chavões seriam normais,mas palavrões
dominam o linguajar dos alunos.
Um sentido sem sentido está acontecendo...
 Na real um cara mata onze estudantes no Rio.
O sistema vem nos matando a cinco séculos.
Somos chão de frábrica de uma sociedade
falida, sem escrúpulos. O sangue é a brincadeira que a Mídia celebra em estado de graça.
Sim, qual a graça?
A BOBALIZAÇÃO nos atingiu de forma rápida, explorados admiramos a modernidade, sendo vilipendiados por nações que sempre nos exploraram.
Abril não abre possibilidades de mudança?

13 de abril de 2011

12 de abril de 2011

Saudosismo além mar


Maeles, Ivaninha e Carlinhos (na casa do Carlinhos e Ivaninha)

Nem foto
Nem poema
Nem música
Amigos são tudo isso junto
reunidos em momentos q eternizam
passagem. Essa passagem rápida na
terra. Saudade é tema de coisas essenciais.
Depois do voo, do medo da turbulência,
o planalto da minha tribo, a visita aos amigos,
a família, aos pais, irmãs, sobrinhos, Minas
na minha alma, na minha aura, no meu coração
de cão que uiva para lua um blues q diz churrasco
na alegria do reencontro, melodia de saudosismo
que me pega agora no íntimo desse instante.

11 de abril de 2011

Ficamos emperdenidos como Charles Chaplin disse...

Foto de Isaias de Faria

8- A humanidade  destila indiferença e diz que é moderna.
9- O cão chupando manga já perdeu espaço para o crack.
10- A dicotomia de ser num mundo material faz propaganda na média.
11- A publicidade invade nossas casas todo dia com telejornais ensanguentados.
12- A poesia  morreu diante do abismo da secura do homem.
13- Quantos sentidos por milésimos de segundos tem um artista?
14- O sol começa a invadir o morro do colcão antes da foto que
pretendo tirar.
15- Há um quê de por que sem por quê no conceito de ter.
16- Ando calado como uma tartaruga,minha carapaça é mineira.
17- O céu ainda é azul mesmo que a indústria nos engula.
18- Em bom português precisamos de EDUCAÇÃO.
19- O governo brinca de acertar com soluções amiúdes e pusilâmes.
20- Vou corrigir as provas que apliquei nas 7ªs séries hoje.
21- A recuperação paralela não recupera a vontade de não querer aprender.
22- Estudar hoje parece que dói.
23- 11 de abril de 2011 é meio cabalístico: 1+1+4+2+0+1+1=10
1+0=1. 1 é dia de começar algo.

7 de abril de 2011

SINAIS DOS TEMPOS ALÉM LUTO

1- Atire apenas o branco da paz.
2- Qual o escudo  para o abuso do tiro?
3-Flores acolhem sofrimento alheio.
4- Mundo selvagem não vê sentimentos.
5- Ikebanas gritam um pedido de mudança.
6-Sinais dos tempos dizem purificação para o homem.
7- A fraternidade pede divulgação.

SEMI SELVAGENS DISTANTES DO SOL

bala bate finca vida esvai um por quê diz uai perplexidade minha boca cala um trem sem trilhos nem poesia explica o que se faz alem do bem alem do mal nietzsche não sabe nem responder estupidez não rima mais com valor essência vida bom ou ruim escola cenário de um rambo q nunca leu rimbaud, artaud, baudelaire, verlaine , valéry,mallarmé, drummond, murilio mendes, henriqueta lisboa, vinícius de moraes, cecília meireles, hilda hilst, torquato neto, paulo leminski, waly salomão,rosseau, sartre, foucault,  mal do século é o fundamentalismo somos todos feudais e achamos que somos modernos não somos e achamos que somos um risco que desenpenha um papel de ponto final já que existem exclamações além da crase além da frase além do acento agudo crônico o papel do homem virou papelão uma música toca agora em algum lugar
a tolice de sermos humanos nosso humanismo é a corda bamba que alguma fogueira nos incinera
diminuto jornal  dá tom no teatro horror que hora nos assalta e nos atira.

Ikebana no instante

sem palavras
olho além
silêncio molha sentidos

6 de abril de 2011

PROFESSOR DIANTE DA EQUAÇÃO E = MC 2

Cássio explanava sobre a Globalização, os Oligopólis, lançou a pergunta:
_ O que é Monopólio?
Ninguém responde na sala.
Pensa consigo mesmo:
É um nono ano (antiga 8ª série). Tudo bem, alguém deve pelo menos saber o que é multinacional, ou o que são barreiras alfandegárias.
Uma aluna da primeira coluna, segunda da fila diz:
Professor Cássio, Monopólio é dominar a concorrência dessas multinacionais.
_Sim, a Alexssandra tem razão continuo.
Ela completa:
_Dos países ricos sobre os pobres.
E as transnacionais que ampliam seu domínio no nosso país.
_Sim, é isso mesmo!
Um aluno no fundo pergunta:
_Professor, transnacional é o que transforma o país em nacional?
Respondo:
__Não.
Ele emenda:
_Ah, entendi, transnacional é aquele filho do Cerezo que fez mudança de sexo.
Agora entendi.

5 de abril de 2011

QUEBRADEIRA


de  Leminski 
a Rodrigo de Souza Leão
a poesia é explosão.

3 de abril de 2011

SONNEN

Tramo um poema
que abre
a porta do átimo
no buraco
negro
destrambelhando
a trama
na tramela
do oráculo
perturbação
no inaudível
corte da espada
imprevisível
de um samurai

Do meu livro Sonnen - 2008. Edição do autor.

1 de abril de 2011

FEUDALISMO

Foto de Robson Corrêa de Araújo

12- Somos todos vassalos. Moderno é a exploração.