29 de novembro de 2008

ZAÚNS TARADÓIDES

I



bocas batem asas

para o juízo final

caio no seu umbigo

tudo molhado.

ela abre as pernas

e acaricia o coração do pênis

taichichuan de corpos desvairados

vai e vem...

um surto surta no cama sutra

clamando tântrico uma oração

a sua rosa me morde

sem piedade.


II



bocas voam ao delírio

você abre as pernas

e massageia o coração do pênis

rítmo, gula e química

som transgressor

queum tom à vida

flor carnívora

que come o talo sem perdão

e sente o prazer

massagear o êxtase


III




A sua flor comendo meu falo

Vulva volúpia vulcão

Oração que oro e consagro

Pele rele febre

Mel melado massagem

Incenso gula lua vinho

Flor que afago e me ataca

Propondo derreter a madrugada

Desejo que desperta

Velas ritual química alquimia

Pompoarismo prazer magia

Desabrochar de êxtase

Despertando o prazer

Que o amor absolve

No OOOM MMM que o corpo sente.



IV



a rosa abre pétala

perfume de jasmim

delírio surto sutra

falo esporro serafim


V


Falo no seu ensaio

Perereca abre a boca

E engole até o talo


VI


Sorriso no pompoarismo

Rítmo gula e arte

Perereca pele e falo

VII



Se falo

A perereca abre a boca

E engole até o talo


28 de novembro de 2008

SOLARES

foto repeteco do meu celular

reflexo num átimo

além da sombra

sol de vida e luz



Andy Mckee

“Samus Stardrive”

Solo solar luz



luz da vida

num haicai

que brinda o dia




haicai faiscado

na luz que vem do céu

galopante na nuvem dragão




sorriso do dia

solo da luz

cheia de melodia




luz do céu

fonte de vida

música e harmonia




Zaratustra sai da caverna

Da uma risada

Na profecia do dia




27 de novembro de 2008

HOTEL DAS MARGARIDAS

TOALHAS E ARRUMAÇÃO.

Hospedaram no Hotel ao meio dia.

Às 13h 30 min pediu mais toalhas e para arrumar o apartamento ao recepcionista.

O recepcionista informou-lhes que o quarto poderia ser arrumado mais tarde.

O hospede desceu e ficou exigindo as toalhas enquanto o recepcionista ficou quieto

e parado.

O hospede irritado exigia a arrumação do quarto e mais toalhas.

_Você é surdo!

_Senhor, de maneira alguma. Posso ajuda-lo?

_Preciso de mais toalhas e que arrumem o apartamento.

_Senhor, esse serviço é feito à tarde.

_Okay, vou embora então. Isso aqui é uma Espelunca.

_Não senhor, aqui é Hotel. Mas a Espelunca fica aqui do lado.

_É?

_Senhor, à tarde repomos as toalhas e arrumamos o seu apartamento.

_Olha, pode fazer meu checkout.

Ao fazer o checkou o cartão de crédito do hóspede tinha o limite estourado.

Ele tentou dar um cheque de outra praça não aceito pelo recepcionista.

O telefone toca.

O recepcionista atende:

_Hotel das Margaridas boa tarde.

_Aqui é o recepcionista do Hotel Espelunca. Se por acaso hospedar

um casal que fica exigindo toalhas e que arrumem o apartamento tenha

cuidado porque eles aplicaram um golpe aqui.



Cássio Amaral.

26/11/2008

26 de novembro de 2008

GENTILEZA GERA GENTILEZA



É madrugada estou aqui ouvindo Gonzaguinha. Ele fez uma música para Gentileza,

o profeta Gentileza que me desculpe a Marisa Monte mas a versão do Gonzaguinha

tem um punch melhor, uma amplidão do Gentileza. No Youtube não tem vídeo do

Gonzaguinha tocando essa música mas a letra vai aí:

Gentileza

Gonzaguinha

Feito louco
Pelas ruas
Com sua fé
Gentileza
O profeta
E as palavras
Calmamente
Semeando
O amor
À vida
Aos humanos
Bichos
Plantas
Terra
Terra nossa mãe.


Nem tudo acontecendo
De modo que se possa dizer
Nada presta
Nem todos derrotados
De modo que não de prá se fazer
Uma festa
Uma festa.

Encontrar
Perceber
Se olhar
Se entender
Se chegar
Se abraçar
E beijar
E amar
Sem medo
Insegurança
Medo do futuro
Sem medo
Solidão
Medo de mudança
Sem medo da vida
Sem medo medo
Da gentileza
Do coração.
Feito louco...

Uma amiga minha comentando comigo no msn sobre Gentileza disse que ele tinha

esquizofrenia. Hoje muita gente acha isso bobeira.

Mas pergunto é esquizofrenia tratar todos com gentileza?

GENTILEZA GERA GENTILEZA.







25 de novembro de 2008

CLARIVIDÊNCIA

Além da sombra
Sol na alma
No país dos pássaros
telepatia praticada constante
assumo o olho do universo
Gentileza na minha alma
por causa da Gentileza do coração
traduzindo minha verve de iniciado
Fagulho noite acendo luas
Madrugando mistérios dos antigos
Rápido e com um conto fabuloso
Alma que abre universo sutil
arremato o sol num leilão
entre mentes elevadas

23 de novembro de 2008

REMINGTON 15


vã nomito

bom selvagem

cru inomimado


amido Yeld

amigo faminto

direção no lugar






falo como

suspiro comparo

afago disparo



todo haicai

brinca seco

sem vaselina




dizer soco

na boca da buceta

um jab perfeito

Cássio Amaral.

21/11/2008


22 de novembro de 2008

RELAÇÃO



Pegar a bosta
Jogar na Br-Infinita
Um trago em nuvens enquanto
pelado ouço Andy Mckee Art of Motion
Num grogotó saci brinca de erefuê
Sapiência de sábado só uma cerva
no seu Alípio
Brindemos pois a língua mãe distraio
o universo paralelo sim sintante síla
bas
signos nu como vim barba branca já cresce
hippie total finco um mijo de arte sufragando
meu arsenal de câmeras fotografo
o infinito com minhas retinas o violão toca e toca
;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;
dizer o que não se diz eis o milagre
falar "o" a língua dos deuses
finjo chamem Pessoa luto com vã palavras
Gritem Drummond
Minha porta helênica Socrática Alexandrina
que chama asas mais leves
toc toc toc toquem além mar
viver não é necessário
sentir é obrigatório
tua régua chuva chafariz brim brim
passo aqui e digo que a contra mão
é minha praia quando a madrugada
incendeia todos rifes que simbilam
no pleonasmo que chuta poesia.


P.s. Na placa de é proíbido parar e estacionar

aterrisa um disco voador.

11:48 PM

Excluir

PUNCTUM


Para Robson Corrêa de Araújo*




Ponto além de exclamação

Giro de helicóptero

Gíria, chavão e intelecto

Sensei de um verso

Que rola de A a Z

Servo da imaginação

Grito do inominável

Fotografia do átimo

Sem vírgula ou reticências

Y Semiótico

Gangrena no texto

Filosofia do saci do Solar Brasília



Cássio Amaral.

18/11/2008.


*O blog de Robson Corrêa de Araújo:



http://punctumstudium.blogspot.com/


19 de novembro de 2008

REVISTA LASANHA NO AR






O brother MaicnucleaR já colocou a nova Revista Lasanha no ar:

http://www.revistalasanha.cjb.net/

BR - INFINITA

Robson Corrêa de Araújo lança o Romance BR - INFINITA em Brasília.

10 de dezembro às 19:00 horas.

Livraria Siciliano Conjunto Nacional Brasília.

O blog do Robson:


http://punctumstudium.blogspot.com/

NO RIO


Fabiana Borgia lança Desconexos no Rio.
É uma grande pedida para sacarem a poesia da Fabiana Borgia.
Blog da Fabiana:

http://fabianaborgia.blogspot.com/

EM PORTUGAL




Jorge Vicente, José Félix e José Gil estão incendiando Portual com Poesia.
Está rolando por lá o Ciclo da Cidade, que aborda temas com Escrita Criativa e
Poesia Urbana. Vocês podem conferir com mais detalhes no blog dele:

http://jorgevicente.blogspot.com/

18 de novembro de 2008

PARA QUEM ESTIVER EM BRASÍLIA


Em comemoração aos cinco anos de lançamento de seu primeiro livro “A Vida Sente a Si Mesma” (Ed. Gráfica Ibiapina, Teresina, 2003) e ao ingresso do autor na Associação Nacional de Escritores – ANE, este ano, o poeta Marcos Freitas e a Editora CBJE têm o prazer de convidar-lhe para o lançamento de seu oitavo livro de literatura “Staub und Schotter: Der Wind des Frühlings & die Brise des Herbstes”, uma coletânea de poemas escritos em diversas línguas, durante a estadia de seu autor no exterior (1991 a 1996), na Livraria Café com Letras, em Brasília – DF, no dia 18 de novembro (terça-feira).

Programação:

19h30 às 20h: Inquietudes de Horas e Flores – Declamação e leitura de poemas dos três mais recentes livrosquase um dia” (Ed. CBJE, Rio de Janeiro, 2006; ilustrações de Manoela Afonso), “na curva de um rio, mungubas” (Ed. CBJE, Rio de Janeiro, 2006; prefácio de Fred Maia e ilustrações de Manoela Afonso) e “raia-me fundo o sonho tua fala” (Ed. CBJE, Rio de Janeiro, 2007; ilustrações de Manoela Afonso), pelo autor e pela poeta Cristina Bastos.

20h às 20h30: Apresentação da BandANA – Grupo musical dos servidores da Agência Nacional de Águas - ANA, com os músicos: Márcio Bomfim (voz e violão), Paulo Breno Silveira (violão), Paulo Spolidório (violino), Herbert Cardoso (cavaquinho), Maurrem (percussão) e Marcos Freitas (percussão).

20h30 às 21h: Grupo de Choro – Herbert Cardoso, Dionísio Mizziara e Eurico.

21h às 21:15h: Apresentação do livro Staub und Schotter pelo engenheiro, contista e tradutor Antonio Cardoso Neto, autor do prefácio.

21h15 às 21h40: Leitura dos poemas do novo livro, em alemão, inglês, espanhol, italiano, francês, tcheco e português, pelo autor e revisores presentes: Antonio Cardoso Neto, Paulo Breno Silveira, Laura Tillmann, Sigga Glitz, Ariel Mera, Patrícia Rizzotto e Carlos Saiz.

21h40 às 23h: Roda de Poesia com o Coletivo de Poetas (Menezes y Morais, José Edson, Jorge Amâncio, Ivan Monteiro, Teodoro Gontijo, Marco Polo, Cristina Bastos, dentre outros), com Márcio Bomfim (voz e violão). Sessão de Autógrafos.

Distribuição do libreto “Micro-Antologia - Marcos Freitas”, Série Escritores Brasileiros Contemporâneos, nº 44, O Livro na Rua, Editora Thesaurus, Brasília – DF, 2008.

Serviços:

Livraria Café com Letras
SCLS 203 SulBloco C, loja 19
Brasília – DF
Entrada Gratuita

Livro:

Staub und Schotter: Der Wind des Frühlings & die Brise des Herbstes
Ed. CBJE, Rio de Janeiro, 92p, 2008.
ISBN: 980-85-7810-223-4


O blog do Marcos está linkado aí ao lado, ou no:

http://www.emversoeprosa.blogspot.com/

17 de novembro de 2008

ESMERO DE LINGUAGEM


Para Isaías de Farias*




Palavra

No som do que é amplo

Se desfaz além do pingo d’água

Rasgo traçado em livros métricos

Pensamentos rolantes

Duas estrofes ou um haicai

Dois contos ou um corte simétrico

Coisa de alma do mundo

Entender o signo

Língua aflorada na cútis do texto

Terror da guilhotina que decifra a filosofia

Corte profundo de um trem descarrilhado

Chamado de poema.


18/11/2008.

* O blog do Isais está likado aí ao lado ou no:

http://esmerodelinguagem.blogspot.com/

16 de novembro de 2008

pROSA Prosa PRoSa
PrOSa PRosA
uM giro no alvo certo
termino sem ponto
na tacada só tocaia exclamação
sem vírgula acentuo o belo
Enlaço Platão pra isso
COMUNGO paraíso no teu olhar além do
estritamente o extra que me toca
acena a cena na atuação que me pega
termino prova de História Revolução Francesa
e Independência da América Hispânica
Pink Floyd num domingo The must show go on
Lembrei de Roger Keith Barret"Wish you were here"
Syd Barret
Dentro de mim mora um anjo Querubim ou Serafim?
Seus três rios se confundem com meus três corações alados
o encontro é algo único vislumbro de milagre
possibilidade de conhecimento
O sol ilumina o dia lindo
Fecho os olhos pra lembras que há céu
em vc mesmo que esse céu seja distante
quando cuido do meu jardim

13 de novembro de 2008

LIVRO SONNEN

MORTALHA


O amor é uma farsa

Um vento em expansão no deserto da Patagônia

Um tiro in The dark side of the moon

Um rasgo na alma inocente de um menino homem

Um cão sangrando por meses, perdido por anos

É um delírio no Carandiru do manicômio

Vênus trepando com Hórus de repente

De forma inesperada e incongruente

É zen refletindo a luz do lago

Na sutileza da estrela que despenca cogumelos

Carinho de suavidade , pétala e afago

É nó na garganta da noite que a distância separa

Ímpeto, sol que faz pulsar e mentira mais casual

É fraude comprada num bilhete de loteria

É tortura do bóia fria da palavra que se cala no toque

do sentimento de quem sente

É a porra que nos fez

E gozo que ainda queremos.


Cássio Amaral.


Do meu livro Sonnen, que não lancei ainda. O livro está pronto.

São só 100 exemplares , se alguém se interessar o preço é R$20.00
já com despesas postais.

Pretendo lançá-lo em praça pública, já que aqui em Araxá não há um
espaço para tal.



12 de novembro de 2008

Pesadelo

De soslaio olhou.
Um verso tolo brindava a madrugada.
Um som o atraia The Band II (1969).
Abriu As Flores do Mal no poema LXII Sisina:
"Podes pensar em Diana em galopante roupagem"
olhou o céu gozado de estrelas distraídas
e viu a lua que dominava a noite
como se o tempo e o amor fossem irmãos
num exílio interminável
distraiu-se com os sinos do infinito
lendo o término dos três versos seguintes de Baudelaire:
... " Percorrendo florestas e varando o sarçal,
Toda ébria do alarido , o colo e a fronte à aragem,
Lançando em desafio o seu olhar fatal..."
Lembrou-se de uma amante recente.
Dormiu tendo pesadelos com um divórcio que nunca teve.


11 de novembro de 2008


o preço do homem
é vender
o que não tem preço

9 de novembro de 2008


Desenho da minha sobrinha Ana Carolina Amaral Carvalho

7 de novembro de 2008

CRÔNICA

crônica cronatizo
acordo dez pras seis da manhã
quatro aulas no colégio particular
e 19 no supletivo
a loucura é minha mãe primeira
arremesso nuvens sistematizo profecias
além algo me espera minha surpresa espanto
o lixo é lugar de poesia, é pra lá que olho
não me diga abobrinhas que prefiro abóboras selvagens
(smashing pumpkins)
meu berço é arte e cultura meu signo é libra
historisoziso sozinho minha praia de cachimbos aromáticos
cheios de duendes, dijins, salamandras,
sou um bruxo e isso vocês não me tiram
o meu gato preto chama Sócrates
bebo onde quero e devo beber minha alma é chuva
de estrelas que além muito além é perceptível
para aqueles que olham além(olho de lince)
massacro páginas reviro estandes não durmo
como o cu do verbo sempre porque lá o sexo é palpitar
de prazer eterno
falência fali firma e jornal em Valparaíso de Goiás
minha história é salto de saci que o diário local surpreende
viva minha província e suas idiossincrasias
há um naco de frango nos meus dentes
e meu anjo toca uma gaita cercado por um cisne
enquanto meu saldo no banco é 0,50
reflexo me deparo com um haicai pulsando no cérebro:

o saldo do homem
são centavos
de mazelas.
I
o preço do homem

é vender


aquilo que não tem preço

II

chuva que reza o dia


Foo Fighters clama guitarras distorcidas

em february stars






6 de novembro de 2008

diário

afianço vento
braço de rio que vai pra outro rumo
papaguaio o rítmo blues
meto vielas e rodelas
casulo de versos profanos
a luta no vão das palavras que já disseram
dita e treditas e lambuzadas de mel,amargo e crispa
acentuo planícies e planaltos
welisson veio aqui, ganhou meu livro
salvou the band 1969, foo figthers 1997 the colors and the shape,
screaming trees dust, le estelle di mario
tenho aulas às 19:00
fim do ano
fim de tudo
fim de círculo
fim de um fase
fim de etapa
o sul me espera
o blogger diz que a publicação pode falhar
falha na bolsa de valores
nada muda com OBAMA...
mundo vasto mundo é apenas um verso inconcluso
em cima da escrivaninha
todos cachorros são azuis(rodrigo de souza leão)
brincando com djins duendes salamandras canetas cristais
numa solidão calcinada(bárbara lia)
que versos desconexos (fabiana borgia)
me permitem.